Qual o Sentido da Oração?

#408

Qual o Sentido da Oração?

Caro Dr. Craig,

Recentemente mudei do cristianismo para o agnosticismo, mas eu olho regularmente a sua seção de Perguntas & Respostas já que grande parte do conteúdo ali é mais sensível e instigante do que o tipo de coisa que eu ouço de um monte de evangélicos.

Então eu percebi que se há mesmo uma resposta satisfatória à minha pergunta, você saberia.

A minha pergunta é a seguinte: qual é o sentido da oração? Aqui a oração é definida como uma tentativa de se comunicar com Deus.

Ou Deus pode ler nossos pensamentos ou ele não pode. Se ele pode ler nossos pensamentos, certamente não há necessidade de tentar transmitir ou passá-los a ele, já que ele já sabe quais são. Se ele não pode ler nossos pensamentos, então qualquer esforço baseado em pensamento para contatá-lo é fútil. Não importa que tipo de oração seja (por exemplo petição, ação de graças, arrependimento), não há nenhum sentido em fazer qualquer esforço para enviá-la até ele.

É claro, o cristianismo em geral mantém que Deus é onisciente e, portanto, pode ler nossos pensamentos, de modo que o primeiro destes cenários seria o mais aplicável. A característica da onisciência torna o conceito da oração mais redundante, já que significa que Deus já sabe de alguma informação que pode ser transmitida a ele, e exatamente qual a melhor coisa a fazer sobre ela, então a oração não poderia de alguma forma influenciar suas decisões.

Estou bem ciente de que a Bíblia nos ordena a orar em inúmeros casos, mas, à luz desse argumento, parece-me ser uma coisa extremamente arbitrária para um Deus bondoso mandar fazer, e, portanto, faz com que a fiabilidade da Bíblia seja ainda mais questionável para mim.

Atualmente, parece-me que a ideia da oração é explicada de forma mais sensata como um placebo viciante que dá às pessoas um maior senso de controle sobre suas circunstâncias do que realmente tem.

Mas talvez haja algo fundamental que eu não estou vendo, e se sim, eu ficaria muito grato se você pudesse apontar o que poderia ser.

Obrigado,

Joe

Reino Unido

United States

Sim, Deus pode ler nossos pensamentos. Então, como é que isso é problemático para a disciplina espiritual da oração? Você diz, "certamente não há necessidade de tentar transmitir ou passá-los a ele já que ele já sabe quais são". Espere um pouco, Joe! Falando sério, você acha que a oração é uma questão de fornecer informações a Deus? Você definiu a oração como comunicação com Deus. Você não se comunica com outra pessoa através de uma relação de terceira pessoa. Você entra no que tem sido chamado de uma relação "eu-você". Você fala [diretamente] com outra pessoa, e não apenas sobre essa pessoa. Sua namorada ou esposa ficaria decididamente decepcionada se você racionalizasse em nunca dizer "eu te amo", alegando que ela já sabe disso! Alguém que seja tão obtuso estaria a caminho para um término! Duas pessoas que estão apaixonadas um com o outro querem falar um com o outro, para construir um relacionamento íntimo um com o outro.

Então, com certeza, Deus lê minha mente, e isso me permite orar a Ele em qualquer momento, mesmo quando as orações audíveis seriam inadequadas. Eu posso atirar uma oração empensamento: "Obrigado, Senhor!" Ou "Deus, me dê sabedoria!" em um piscar de olhos. Isto é o que pessoas em um relacionamento fazem. Você pode imaginar alguém tão obtuso a ponto de dizer: "Eu não tenho que agradecer a John pelo que ele fez por mim, porque ele já sabe que eu sou grato"? Ou "eu não tenho que pedir desculpas a Susan porque ela já sabe que eu sinto muito"?

Além disso, não lhe ocorreu que essa comunicação pessoal pode ser bom para você? As relações eu-você fazem você melhorar como pessoa, para torná-lo uma pessoa mais amorosa, transparente e vulnerável. A oração a Deus é da mesma forma. Deus sabe o que é bom para nós e assim quer que falemos com Ele.

Claro, Joe, eu estou falando sobre as orações de alguém que tenha experimentado um renascimento espiritual e assim está em um relacionamento correto com Deus. Eu não estou falando sobre a oração vazia ou roteirizada recitada por um incrédulo. Sem dúvida, esse tipo de oração é sem sentido para você como agnóstico. Sua oração precisa ser algo como: "Deus, revele-se a mim! Eu abro o meu coração e vida para você".

Você tem uma segunda objeção diferente à oração: "onisciência torna o conceito da oração mais redundante, já que significa que Deus já sabe de alguma informação que pode ser transmitida a ele, e exatamente qual a melhor coisa a fazer sobre ela, então a oração não poderia de alguma forma influenciar suas decisões". Esta é uma objeção à eficácia da oração. O que a oposição não vê é que Deus pode levar as orações (ou a falta delas) em conta no seu planejamento providencial do mundo. Saber que Joe iria orar livremente em um determinado conjunto de circunstâncias, Deus pode materializar um mundo em que as orações de Joe são respondidas; mas se Deus soubesse que Joe não iria orar, Deus poderia ter materializado outra coisa em seu lugar. As orações, então, não são um esforço para mudar a mente de Deus. Antes, Deus leva em conta as orações na escolha de qual mundo materializar. Portanto, as orações fazem uma diferença contrafactual: se eu não fosse orar, então outra coisa teria sido o caso em seu lugar. O conhecimento desse tipo é chamado de "conhecimento médio," e há muito neste website sobre este tema fascinante.

Joe, com base na sua pergunta, eu não posso deixar de suspeitar que enquanto você pode ter sido nominalmente um cristão, você nunca experimentou um verdadeiro relacionamento com Deus. Se isto está certo, então fugir de uma religião sem vida e nominal pode ser o primeiro passo para encontrar um relacionamento espiritual com mudança de vida com Deus. Continue em frente!

William Lane Craig