Casado com Alguém que Acha meus Estudos um Aborrecimento

#411

Casado com Alguém que Acha meus Estudos um Aborrecimento

Caro, Dr. Craig,

Como uma pessoa que descobriu recentemente o reino da apologética nos últimos dois anos, você foi um dos primeiros que eu vim a conhecer, e tem sido um prazer ler alguns dos seus materiais e assistir seus debates. Eu atualmente estou apenas no segundo ano da faculdade e estou estudando filosofia e estudos religiosos. Amo meus estudos, e espero poder ir para o seminário no futuro e obter meu mestrado em apologética, se Deus quiser.

A minha pergunta para você não é necessariamente uma questão teológica ou filosófica, mas uma pergunta que eu espero poder receber alguns conselhos pastorais de você sobre o que eu sinto que você esteja, talvez, mais preparado para responder. Eu me casei no verão passado com uma mulher incrível que conheci em uma faculdade bíblica, dois anos atrás e tem sido ótimo. Mas entre a transferência para uma escola nova (secular) e estar constantemente ocupado com a escola e o trabalho, eu sinto que a minha relação com Deus está constantemente em segundo plano, já que eu não estou entrando na Palavra quase tanto quanto eu costumava fazer, e minha vida de oração é quase inexistente, e por isso o meu relacionamento com minha esposa também não está onde deveria estar.

Eu amo meu curso e eu amo minha esposa, mas as duas coisas parecem não coexistir muito bem, já que meus estudos são normalmente mais intensivos em questão de tempo do que os dela, e ela também considera a minha conversas sobre isso mais como um aborrecimento do que qualquer coisa. Acho que o motivo de eu estar escrevendo para você é porque eu estou ficando cansado espiritualmente e preciso de conselhos sobre como acender/manter meu relacionamento com Deus e manter um relacionamento saudável com minha esposa, e se vale a pena ter uma aspiração de ser um apologista. Não somente ninguém vê por que eu escolhi o caminho que escolhi, porque eles consideram a filosofia como algo impraticável e eu não serei capaz de sustentar uma família com tal uma aspiração, mas o próprio caminho é difícil, pois eu não tenho muitos outros irmãos cristãos em minhas aulas e então eu estou sendo praticamente desprezado em todas as direções. Muitas vezes eu me pergunto se vale a pena, e se eu deveria encontrar algum outro caminho que seria mais propício para a vida conjugal e familiar que ela e eu esperamos começar em um futuro próximo.

Dr. Craig existe uma luz no fim do túnel? Mesmo se eu conseguir passar pelos meus anos de graduação, o seminário vai ser mais fácil? Espero procurar um mentor espiritual no futuro, mas ainda estou me familiarizando com a nossa nova igreja local e gostaria de ter alguma direção até lá. Obrigado por sua ajuda e seu grande ministério!

Wesley

Estados Unidos

United States

Obviamente, Wesley, sem conhecer você ou sua esposa, eu não posso aconselhá-lo adequadamente. Na verdade, eu exorto-lhe a tratar esta crise com a maior seriedade, encontrando um conselheiro pastoral ou casal mais velho casado em quem vocês confiam que possa aconselhá-los sobre como seguir adiante.

Antes de responder às suas preocupações, Wesley, quero alertar outros leitores da importância de que Wesley tem a dizer. Ele se casou com uma mulher, que apesar de ser "incrível" não compartilha seu interesse ou fardo por filosofia e apologética. Por isso ela acha que a suas conversas sobre essas coisas são um aborrecimento. Eu recomendo fortemente que aqueles de vocês que são solteiros, façam interesse comum em seu campo de estudo e ministério um importante critério na escolha de um cônjuge. Não importa quão bonita ou quão grande cozinheira ela seja, se não tem interesse em seu campo de estudo, então ela vai considerar as conversas sobre coisas que você é apaixonado como um aborrecimento.

Quando eu estava fazendo meus estudos de Mestrado em Filosofia da Religião na Trinity, Jan (minha esposa) e eu conhecíamos outros casais assim. Essas esposas não tinham interesse discernível em entender o que seus maridos estavam estudando. Toda segunda-feira à noite o Prof. Geisler realizava um colóquio em sua casa para nós, os estudantes de filosofia, e Jan era a única esposa que participava nestas reuniões. Lembro-me bem um estudante observando a nós dois, "Eu gostaria que minha esposa estivesse tão interessada em meus estudos como Jan está em seus". Algumas dessas esposas até odiavam os estudos de seus maridos.

A divisão que cria esta falta de interesse em comum pode ser desastrosa para um casamento. Você só fica mais e mais distante. Eu não estou dizendo que você deve se casar com outro filósofo ou teólogo (longe disso, na verdade!). O que eu estou dizendo é que as coisas serão muito mais fáceis para ambos se a pessoa com quem você casar está, pelo menos, interessada no que você faz, aprecia o valor daquilo, está disposta a aprender um pouco sobre o assunto e apoia você de todo o coração em seus esforços nesse campo.

Se você tem o apoio de que uma pessoa em seus estudos e vocação, então não importa se ninguém mais acredita em você. A carta de Wesley mostra quão difícil é fazer isso quando todo mundo está duvidando de você e você não tem a força e encorajamento da pessoa mais próxima.

Wesley, uma luz no fim do túnel em sua carta é que você está casado apenas há alguns meses. Ao contrário da visão romantizada do casamento, os primeiros anos de casamento são os piores. Como dois rios que se juntam, pode haver grande turbulência quando duas vidas se unem, mas corrente abaixo eles fluem suavemente como um. Mas é vital que você enfrente os problemas honestamente nesses primeiros anos juntos ou as pequenas questões varridas para debaixo do tapete se tornarão obstáculos intransponíveis com o tempo. A turbulência que você está passando é normal, mas você tem que enfrentá-la abertamente e lidar com ela para superá-la.

Vai ficar pior, não melhor, no seminário. As divisões e ressentimentos semeadas entre maridos e mulheres durante os anos estressantes de pós graduação podem estragar ou mesmo destruir muitos casamentos. Não deixe isso acontecer com você e sua jovem esposa! Então, sim, há luz no fim do túnel, se você enfrentar os problemas e lidar com eles.

Eu descobri que assim como está o meu relacionamento com minha esposa, assim também está o meu relacionamento com Deus. Então, eu não estou surpreso que ambos estão em crise para você. É preciso tomar medidas drásticas para restaurar ambos relacionamentos.

O que você pode fazer? Em primeiro lugar, parece-me que você precisa de uma melhor gestão do tempo. O trabalho expande-se para preencher o tempo. Você precisa reservar um tempo para Deus e tempo para sua esposa. Faça um pacto para manter uma vida devocional consistente. Eu vejo que isso implica levantar cedo. Então habitue-se a fazê-lo. Vá para a sua esposa e diga a ela que você quer passar mais tempo apenas estando com ela. Discuta com ela e descubra quanto tempo ela gostaria que você gastasse com ela. Em seguida, aceite e faça isso. Aceite as consequências que você poderá receber notas mais baixas como resultado. É pechincha de um tolo negociar um bom casamento pelo sucesso acadêmico. Você vai descobrir que você pode desenvolver os hábitos de estudo e autodisciplina para conseguir uma incrível quantidade de trabalho feita em uma quantidade limitada de tempo. Mais radicalmente, talvez você precisar pensar em parar seus estudos enquanto você trabalha tempo inteiro para permitir que ela faça sua graduação e, em seguida, pedir-lhe para fazer o mesmo por você quando ela terminar.

Em seguida, aprenda a falar com sua esposa. Pare de falar temporariamente sobre as coisas que você está estudando (a menos que ela pergunte!) e se concentre em como ela se sente sobre as coisas. Valide seus sentimentos e não fique na defensiva. Pergunte a si mesmo o que Deus está lhe ensinando sobre si mesmo a partir das reações dela. Permita que a comunicação de sentimentos com ela torne-se um fim em si mesmo. Faça um esforço para mostrar interesse e aprender sobre o que ela está estudando ou sobre o que ela está interessada. Faça para ela o que você deseja que ela fizesse por você.

Finalmente, reitero: entrem em algum tipo de aconselhamento juntos.

Quanto ao resto das suas preocupações sobre se os estudos filosóficos/teológicos valem a pena, esqueça-os. Se este é seu chamado e paixão, então vá atrás independentemente dos pessimistas. Esse tipo de pessoa você sempre terá com você. Mas apenas se certifique que você não faça isso às custas de seu casamento. Então, sim, os estudos filosóficos/teológicos valem a pena o tempo e esforço; mas eles não são dignos de seu casamento. Se você receber ajuda e tomar medidas para resolver os problemas, você vai descobrir que você pode ter ambos.

William Lane Craig