O que significa “Morrer pelos nossos pecados”?

#418

O que significa “Morrer pelos nossos pecados”?

Caro Dr Craig,

Eu nasci na Turquia e, simplesmente, segui as tradições e me tornei um muçulmano. Eu sempre tive fome por conhecimento e entendimento. Então, eu comecei a pesquisar o Islamismo com a esperança que eu pudesse ter uma conexão mais próxima/forte com Deus. Mas, infelizmente, eu percebi que o profeta Maomé se encontra entre Deus e eu. Esta foi minha primeira decepção. Eu também descobri certas coisas que me afastaram muito do Islamismo, na verdade, de todas as outras religiões. Então me tornei um ateísta porque eu acreditei que isso era intelectual, lógico e racional. Depois que eu estudei Física Matemática (e entendi o verdadeiro significado de ciência, racionalidade e lógica) na universidade, eu percebi que o ateísmo também não era para mim.

Minha pergunta é sobre Jesus. Eu não sou cristão mas me sinto muito próximo de Jesus desde o primeiro dia que eu o conheci. Eu não entendo o fato dele morrer por nossos pecados. O que isso significa? Nenhum cristão me deu uma resposta satisfatória e eu não consigo pensar em uma resposta por conta própria. Eu estou pronto para morrer, hoje, pela minha mãe, mas não foi isso que Jesus fez (eu presumo?)

O que significa “morrer pelos pecados de alguém?”

Obrigado,

Hakan

Reino Unido

United Kingdom

Eu estou contente que você está se sentindo atraído por Jesus, Hakan. Ele é uma figura atraente, não é? Eu lidei com a sua pergunta em nas lições 9-13 da parte 6 “Doutrina de Cristo”, da minha aula “Defenders” [Defensores] sobre doutrina e apologética cristã, e eu vou encaminhá-lo para os podcasts ou transcrições das aulas para uma resposta mais completa.

Os seguidores de Jesus afirmaram que Jesus morreu tanto por nós (Romanos 8.32; 14.15; I Coríntios 8.11; Gálatas 2.20; etc.) e para os nossos pecados (Romanos 5. 6, 8; Gálatas 1. 3-4, etc.). Eu acho que esta última expressão é melhor entendida no contexto do sistema de sacrifícios de animais praticado no judaísmo antigo. Entre as ofertas feitas a Deus no templo, havia ofertas para os pecados do povo. Essas ofertas eram destinadas para expiar os pecados do povo, isto é, para remover o afastamento de Deus como resultado da culpa que eles geraram. Estes sacrifícios eram destinados tanto para propiciar Deus (isto é, para anular a Sua ira, justamente merecida por violar Sua lei) e para expiar o pecado do povo (ou seja, para removê-lo).

Agora você poderia dizer que isso é bizarro. Como poderia o sacrifício de um animal remover ou tirar os pecados das pessoas ou satisfazer as exigências da justiça de Deus? Bem, os escritores do Novo Testamento teria concordado com você! O autor do livro de Hebreus afirma categoricamente: "É impossível que o sangue de touros e bodes tire pecados" (Hebreus 10.4). Ele explica que os sacrifícios de animais eram meramente uma forma temporária que serviu os propósitos de Deus até que o verdadeiro sacrifício viesse, o próprio Filho de Deus.

Jesus se considerava esse sacrifício. Na sua última refeição da Páscoa, que Jesus comeu com os seus discípulos na noite em que foi traído, "tomou o pão, o abençoou e partiu-o e deu-lho, e disse: 'Tomem; este é o meu corpo. "E ele tomou um cálice e, tendo dado graças, deu-lho, e todos beberam dele. E ele lhes disse: 'Isto é o meu sangue da aliança, que é derramado por muitos" (Marcos 14.22-24). Jesus usa as mesmas palavras que Moisés utilizou em instituir a antiga aliança (Êxodo 24.8), mostrando que ele considerava a Sua morte como a inauguração da nova aliança entre Deus e o homem.

Olhando para o passado, o apóstolo Paulo escreveu: "Cristo, o nosso cordeiro pascal, foi imolado" (I Coríntios 5.7). Ele diz que Deus enviou "seu próprio Filho em semelhança da carne do pecado e pelo pecado" (Romanos 8.3), a expressão "para o pecado" é a expressão no Antigo Testamento grego para "oferta pelo pecado". Cristo fez o que o sacrifício de animais não poderia fazer: seu sacrifício remove os nossos pecados e satisfaz as exigências da justiça de Deus. Paulo diz: "Por nossa causa [Deus] o fez para ser pecado que não conheceu pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus" (II Coríntios 5.21).

Como devemos entender isso? Bem, não há nenhuma teoria da expiação, em particular, que seja ordenada pela Escritura. Ela nos diz que Cristo deu a sua vida como um sacrifício pelo pecado, o qual é eficaz em nosso favor. Teólogos cristãos formularam muitas teorias diferentes sobre a expiação, as quais representam diferentes facetas da verdade. Penso que vital para qualquer teoria adequada da expiação será a ideia de substituição penal dos reformadores protestantes. De acordo com esta teoria, Cristo tomou sobre si a penalidade do pecado que merecíamos, algo que nenhum mero animal (ou outro ser humano pecador) poderia fazer. Ele ficou como nosso representante diante de Deus e tomou a penalidade do pecado que merecíamos. Deus imputou o nosso pecado e culpa e, por sua vez, imputou a perfeita justiça de Cristo a nós.

Se isso é correto, faz Jesus uma figura ainda mais atraente. Você pode imaginar que esse homem iria voluntariamente entregar-se ao horror da crucificação de morrer como um sacrifício em seu lugar, para assumir a pena de morte do pecado que você merecia, para que você pudesse ser livre! "Que maravilhoso amor é este!"

William Lane Craig