Porque Deus não pode ser somente o Maior Ser?

#424

Porque Deus não pode ser somente o Maior Ser?

Olá, Dr. Craig. A minha pergunta surgiu depois de ter ouvido a sua aula sobre “O Argumento Ontológico”.

A minha pergunta para você é: Um ser maximamente grande, tem que ser necessariamente o que humanos conseguem imaginar como o maior ser? Não pode ser que o ser (Deus) que é na realidade o maior ser de todos os seres (já que nenhum ser maior existe na realidade), seja o maior ser concebível? Por que a nossa imaginação de um ser maior precisa desvalorizar a grandiosidade de um ser que já é maior? Mesmo que nós pudéssemos imaginar um ser maior, não pode ser que esses “atributos grandes/maiores” sejam desnecessários e, por isso, não são atributos não tão maiores?

Por exemplo:

Deus tem que ser necessariamente onipotente? Ele não pode ser somente o ser com a maior quantidade de poder no universo, em vez de ter um poder ilimitado?

Então a minha pergunta é:

É possível que o maior ser (Deus) seja somente o ser que na realidade é o maior ser, sem necessariamente ter que ser o “o maior ser concebível”?

Eu sou um estudante de 18 anos na Suécia. E eu pergunto isso da perspectiva de um cristão que acredita que a Bíblia é a palavra de Deus.

Tenho muito amor e apreciação pelo trabalho que você está fazendo, Dr. Craig. O seu trabalho tem sido extremamente útil para mim e para os meus irmãos e irmãs em Estocolmo.

Tomas

Suécia

Sweden

Seja o que for que você talvez pense sobre o argumento ontológico dele, todos nós devemos a Anselmo por nos ajudar a ter um conceito de Deus mais adequado. De acordo com Anselmo, Deus é o maior ser concebível (aliquid quo nihil maius cogitari possit). Essa definição não faz com que Deus dependa da imaginação humana. “Concebível” aqui significa possível: Deus é o maior ser possível, ou seja, é impossível que haja um ser maior que Deus.

É claramente inadequado pensar sobre Deus como meramente o maior ser que há. Pois isso não exclui o fato de Deus ser imperfeito de várias maneiras. Por exemplo, é limitado em Sua bondade, conhecimento e poder. Zeus foi provavelmente concebido por pagãos antigos como o maior que existia, mas tal ser finito e imperfeito dificilmente se recomenda para nós como digno de adoração. O ateísmo é, na verdade, consistente com a existência de um ser maior no mundo.

Então, um conceito adequado de Deus requer que Deus tenha um certo grau dessas propriedades “engrandecedoras”. Qual grau? A resposta menos arbitrária e intuitiva é: o maior grau possível! Essa resposta glorifica Deus engrandecendo a Sua grandiosidade e parece ser a mais adequada religiosamente. Mais que isso, pense na alternativa. Se Deus não é o maior ser possível, então é possível que algum outro ser poderia ter existido que seria maior que Deus, então Deus deveria ser obrigado a se curvar e adorá-Lo! Isso é impossível, pois Deus não seria Deus. Com certeza você não pensa que Deus é somente Deus contingentemente.

Então, “Um ser maximamente grande, tem que ser necessariamente o que humanos conseguem imaginar como o maior ser”? Não. Nós somos falíveis e talvez cometamos erros e isso é em que consiste uma grandeza genuína. Por exemplo, teólogos medievais pensavam que Deus é maior se Ele é atemporal, simples e impassível. Poucos pensadores contemporâneos concordariam com esse julgamento. Agora se eles estão certos ou se nós estamos certos, essa discordância mostra que o nosso entendimento do que em que consiste a grandeza, não é infalível. Ainda assim, alguns atributos, tais como perfeição moral, onisciência e onipotência são evidentemente propriedades “engrandecedoras”.

Você pergunta “Mesmo que nós pudéssemos imaginar um ser maior, não pode ser que esses “atributos grandes/maiores” sejam desnecessários e, por isso, não são atributos não tão maiores”? Claro, como os exemplos dados mostram. Mas isso é muito diferente de disputar que Deus é o maior ser possível. Talvez estimemos erroneamente um Deus impassível para ser maior que um Deus capaz de sofrimento, mas isso só mostra que nós falhamos em formar um conceito adequado do maior ser concebível. Deus é necessariamente o maior ser possível, mesmo que o nosso conceito do que tal ser seja, falível e capaz de correção e refinamento.

William Lane Craig