back
05 / 06

#267 Motivos Apropriados para a Fé

May 16, 2015
Q

Caro Dr. Craig:

Por favor, perdoe o prólogo, mas eu acho que é importante dar um rápido resumo de como e por que eu tenho chegado a este ponto em minha vida. Meu pai é um ministro aposentado, e eu frequentei a igreja (e escola cristã) toda a minha vida, mas, como muitos dos meus amigos FP (filhos de pastor), eu abandonei minha fé - na verdade, eu não acho que já tive. Mas eu ainda estou procurando. Meus pais são pessoas boas, e eu respeito muito o meu pai, ele tem sido um grande modelo e tem vivido suas crenças. Ele teve uma experiência de conversão bastante notável quando adulto, e eu só dou este pano de fundo porque tem muito a ver com a minha principal questão, lidando com como e por que as pessoas são "salvas."

Tenho lido e visto praticamente tudo no reasonablefaith.org ao longo dos últimos 3 anos, incluindo todos os seus debates, e eu estava lá no seu debate com Sam Harris em Notre Dame. Eu escutei esse debate cerca de 10 vez desde então, e eu ainda estou incomodado com muitos problemas, mas continua a destacar-se, uma vez que verdadeiramente me leva de volta para a minha própria conversão aos 5 anos de idade. Em um ponto durante o debate, Sam Harris caracteriza a salvação como pessoas agarrando-se a uma espécie de "seguro contra incêndio," que, após um ano pensando sobre isso, eu acho que é uma descrição muito boa. Você respondeu com o seguinte:

"Você não acredita em Deus para evitar ir para o inferno. A crença em Deus não é uma espécie de “seguro contra incêndio”. Você acredita em Deus porque Deus, como o Bem supremo, é o objeto apropriado de adoração e amor. Ele é Bondade em si, a ser desejado pelo Seu próprio bem. E, portanto, a realização da existência humana é encontrada em a relação a Deus. É devido a quem Deus é e a Seu valor moral, que Ele é digno de adoração. Não tem nada a ver com evitar inferno, ou promover o seu próprio bem-estar”.

Então, aqueles que "são salvos" porque foram terrivelmente assustados sobre o inferno, são eles realmente salvos? Todos eles devem se sentir como você descreveu acima? Eu cresci em igrejas de inferno de fogo e enxofre, e como uma criança de 5 anos de idade, com medo de ouvir sobre o inferno 4 vezes por semana, eu orei a Deus "pedindo que Jesus entrasse em meu coração." Que outra "escolha" eu realmente tinha? Que criança (ou adulto) quer queimar? E eu provavelmente fiz a oração mais 100 vezes como uma criança aterrorizada. E agora, minha esposa, que tem sido uma crente toda a sua vida, leva o nosso filho de 7 anos de idade à igreja fielmente, e ele é exatamente como eu era! Ele está apavorado com o inferno e faz oração ou levanta a mão toda vez que alguém faz o velho "chamado ao altar." E eu sei o porquê: porque ele está com medo de queimar no inferno! Quem não estaria! Não tenho a menor ideia do que dizer a ele, e eu simplesmente vou na onda, concordando com todas as histórias da Bíblia que já contaram pra mim e que agora ele está ouvindo - e isso está me matando, porque eu cheguei ao lugar onde estou em que não acredito em nada disso.

Peço desculpas por ter demorado tanto para chegar a minha pergunta, mas eu acho que é importante mencionar essas coisas, pois me ajuda a enquadrar esses pensamentos constantes. Assim, tendo em mente a sua declaração do debate, que a salvação não é (ou não deveria ser) um seguro contra incêndio. E se não houvesse inferno ou céu - apenas o nada após a morte? Se ir para o céu não deve ser o desejo, e o medo do inferno não deve causar alguém a desejar o "seguro" de lá, qual é o ponto? Quem entre nós é exatamente e perfeitamente altruísta? Ou faria ou agiria de determinada maneira, sem benefício? Todos nós fazemos coisas para produzir/receber e até mesmo para evitar um resultado específico. E como você diz, a única razão para ser salvo deve ser porque: "Você acredita em Deus, como o Bem supremo ... digno de adoração ... a realização da existência humana ... etc", mas e se, quando você morrer, não houver nada? É isso aí. Como toda a sua adoração, moralidade, etc. pode ter significado QUALQUER COISA? Afinal, você não fez isso tudo por causa do céu; você deveria aceitar a Cristo pelas razões que você indicou, então o céu/inferno não deveriam ter nada a ver com isso. Certo?

Dado meus 30 anos na igreja, e minha própria experiência contínua e luta, eu afirmo que existem muitos que estão tentando evitar o inferno. Eu diria que, se as pessoas fossem honestas, a maioria iria admitir isso. Eu tenho muitas outras perguntas e dúvidas, mas sua declaração neste debate continua a me assombrar. Eu acho que principalmente porque a afirmação de Harris descreveu com tanta precisão a minha experiência (e de muitos outros) de conversão na infância. Então como é que uma pessoa torna-se alguém que não quer evitar o inferno e só deseja adorar e ter um relacionamento com o único Deus digno?

Por favor, ajude ...

Com carinho,

Mark

Estados Unidos

  • United States

Dr. craig’s response


A [

Sua situação pessoal e luta, Mark, ilustram de maneira pungente por que é importante que nós pensemos corretamente sobre Deus. Estou tão feliz que você tenha compreendido e refletido sobre quão diferente é a motivação para a crença em Deus que eu descrevi, que representa a tradição cristã clássica, do que a caricatura medonha pintada por Sam Harris. Espero que você possa ter a força para abraçar com toda sua beleza e maravilha desta nova visão de Deus como o Bem Maior, e que conhecê-Lo é a realização da existência humana.

Então, você pergunta, aqueles que "são salvos" porque foram terrivelmente assustados sobre o inferno, são realmente salvo? Claro! Por que não? Somos salvos pela graça de Deus por meio da fé, e não vejo nenhuma razão para pensar que uma pessoa com medo não pode ter fé genuína. Alguém poderia ser motivado, por exemplo, pelo medo do castigo que ele acredita ser justamente merecido. Em qualquer caso, nenhum de nós tem uma teologia perfeita, e ter isso não é uma exigência da salvação.

A pessoa que levanta continuamente a mão ou vai para a frente na chamada ao altar tem um problema com a garantia de uma salvação, e não com a doutrina do inferno. Você deveria dar instrução ao seu menino na sã doutrina, ensinando-o sobre a regeneração, a habitação e enchimento do Espírito Santo, da justificação e do perdão, tudo o que ele como um filho de Deus, é herdeiro em Cristo. Não há nenhuma razão para esta esteira em ele está. Escute meus podcasts do Defenders sobre esses assuntos, se você não conhecê-los por você mesmo. Talvez você devesse ler em voz alta para o seu filho, depois do jantar, um pouco a cada noite, O Peregrino de John Bunyan para ajudá-lo a ver a viagem em que ele está para a Cidade Celestial. Ele pode esquecer o inferno. Ele não está nessa estrada.

Então, você pergunta, se não houvesse o céu ou o inferno, então qual seria o ponto? A pergunta está errada porque "ir para o céu" simplesmente É o conhecimento de Deus, prolongado para a eternidade, que é a realização da existência humana que eu estava falando. O propósito da vida é glorificar a Deus e gozá-lO para sempre. Portanto, a questão relevante que você deve fazer é: "Se não houvesse inferno, então qual seria o ponto?" E isso é fácil de responder: o ponto permanece em conhecer a Deus. Na verdade, alguns teólogos cristãos pensam que não existe o inferno eterno, que Deus só aniquila os não crentes. Eu não concordo com eles, mas eu não vejo que se eles estiverem certos isso materialmente afetaria a motivação para acreditar em Deus.

Você pergunta, quem entre nós é perfeitamente altruísta? Nenhum de nós, é claro! E daí? Você não tem que ter motivos perfeitos a fim de ser salvo.

Mas por que você levanta essa pergunta, afinal? Eu pensei que sua dificuldade era que, crendo por medo do inferno, não fosse uma motivação saudável para acreditar em Deus. Então você deve se alegrar de que existe uma motivação melhor! Você precisa lançar sua imagem negativa de Deus e as suas motivações negativas e vê-Lo como sumamente bom e amoroso, e, então, você será atraído a Ele.

Então como é que uma pessoa torna-se alguém que não quer evitar o inferno e só deseja adorar e ter um relacionamento com o único Deus digno? Você não tem que se fazer não querer evitar o inferno. Qualquer pessoa bem pensante gostaria de evitar tal destino. Então não se preocupe com isso. Em vez disso, esforçe-se para ter uma outra motivação mais forte e positiva, que a substitua, ou seja, o desejo de conhecer a Deus. Então, como vamos fazer isso? Bem, a primeira coisa é absorvendo profundamente a doutrina correta de Deus. Uma vez que nós realmente entendemos quem é Deus e como Ele é, nós vamos ser atraídos para Ele. Portanto, estude cuidadosamente e pacientemente os podcasts do Defenders da Doutrina de Deus. Leia o maravilhoso livro de J. I. Packer O Conhecendo de Deus. Não tenha pressa. Você tem um monte de emoções negativas para soltar. Em segundo lugar, conheça Jesus de Nazaré, como descrito nos Evangelhos. Jesus é uma figura extremamente atraente. Deus é como ele. Finalmente, medite sobre tudo o que Deus em Cristo fez por você. Pense em Seu amor por você que O levou à extremidade da cruz. Pense em Seu perdão de todos os seus pecados, de fazer você Seu filho, da vida eterna. Quando você entender corretamente essas coisas, seu coração será preenchido com gratidão.

Eu realmente espero que Deus faça uma obra em seu coração para substituir essas emoções negativas com emoções positivas adequadas, trazidas de uma compreensão correta de Deus.

- William Lane Craig